PRIMEIRO OLHAR: V FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO PARA BEBÊS

Com foco no intercâmbio de linguagens no Teatro para Bebês – contemplando música, dança e teatro – o Primeiro Olhar - V Festival Internacional de Teatro para Bebês acontece de 13 de agosto a 4 de setembro, em São Bernardo do Campo (no CLAC – Centro Livre de Artes Cênicas) e de 20 de agosto a 4 de setembro de 2016, em São Paulo (no Espaço Sobrevento). As apresentações têm entrada franca e acontecem aos sábados e domingos, às 11h e 14h.

Com realização do Grupo Sobrevento, a quinta edição reunirá grupos do Brasil, da Espanha e do Chile. A Cia La Casa Incierta (Espanha) apresenta Quem era eu antes de ser eu. A Cia. Manada (Chile) traz o espetáculo Vaga-Lumes. Representando o Brasil, o festival traz Achadouros, criação coletiva de Brasília e o espetáculo cênico-musical Crianceiras Bebê, de Márcio de Camillo (Mato Grosso do Sul). O Grupo Sobrevento apresenta a pré-estreia de sua nova criação - Terra -, além de dois espetáculos de seu repertório, Meu Jardim e Bailarina.

Destinado à primeira infância, o festival contará com uma programação de 26 apresentações, 2 exposições interativas, 1 oficina de Teatro para Bebês - direcionada a artistas e educadores -, 1 mesa-redonda com o tema Arte na Primeira Infância e a exibição do documentário O Começo da Vida, de Estela Renner. O projeto é realizado com o apoio da Prefeitura de São Bernardo do Campo e do Programa de Ação Cultural, da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. Confira a programação:

13 e 14 de agosto, às 11h e às 14h | CLAC – São Bernardo do Campo - Espetáculo Crianceiras Bebê com MÁRCIO DE CAMILLO | MATO GROSSO DO SUL_BRASIL

Crianceiras Bebê é um espetáculo cênico-musical para a primeira infância, onde o cantor e compositor Márcio de Camillo apresenta poemas de Mario Quintana, que musicou. No show, Márcio toca diferentes instrumentos de corda - violão, viola caipira, mandoline e braguinha - e é acompanhado pela percussionista cênica e orquestral Nath Calan, que também se vale de um grande número de instrumentos de percussão, em busca de ritmos e sonoridades surpreendentes, tanto para as crianças de seis meses a três anos de idade, quanto para os adultos que as acompanham. Primeiro show musical para bebês de que temos notícia no país, Crianceiras Bebê enfrenta os preconceitos que associam o gosto da primeira infância a certos instrumentos, sons, ritmos e repertórios e busca revelar aos bebês o encanto e a grande riqueza da música popular, das canções e da poesia brasileiras. Márcio De Camillo é cantor, compositor e instrumentista, criado no Mato Grosso do Sul, cenário que compôs a base inicial do seu estilo musical. Em duas décadas de carreira, Márcio De Camillo lançou oito CDs e um DVD. É criador do Projeto Crianceiras, que consiste em musicar, para crianças, a obra de poetas brasileiros e apresentar as canções em CDs e espetáculos cênico-musicais. Crianceiras 1 reúne poesias de Manoel de Barros e seu show, já há 4 anos em circulação, apresentou-se em cidades brasileiras de diferentes estados - MS, SP, RJ, MT, MG, SC e no DF, sempre com grandes plateias. Crianceiras 2, por sua vez, reúne poesias de Mario Quintana e teve o seu CD lançado recentemente. Ambos os CDs foram indicados para o Premio da Música Brasileira na categoria "Melhor Álbum Infantil".

20 e 21 de agosto, às 11h e às 14h | CLAC – São Bernardo do Campo >>> 28 de agosto, às 11h e às 14h | Espaço Sobrevento – São Paulo - Espetáculo Terra com o GRUPO SOBREVENTO

Uma mulher pisa na terra. Fazia tempo que não sentia a terra nos seus pés. Ao senti-la, lembra do carinho que brota da terra. Desenterra os seus segredos, que são as coisas pequenas de que é feito o amor e que cultivamos na terra. Inspirado na ideia de que as crianças costumam enterrar coisas que lhes são significativas, Sandra Vargas cria um texto que fala de memória, dos laços afetivos e do amor que está dentro de todos nós e que é a base de todo ser humano. O GRUPO SOBREVENTO é uma das companhias brasileiras de Teatro que mais se apresentam no exterior. No Brasil, realizou diversos eventos internacionais e faz a curadoria de muitos Festivais Internacionais de Teatro e de Teatro de Animação, sua especialidade. Tem renome internacional e uma carreira sólida de 30 anos. Tem recebido prêmios ou indicações para prêmios (Mambembe, APCA, Shell e Estímulo) e críticas elogiosas que destacam principalmente o aspecto da pesquisa e a inovação em cada montagem. Realiza, em parceria com a Cía. La Casa Incierta, desde 2010, a Mostra PRIMEIRO OLHAR - Festival Internacional de Teatro para Bebês, em São Bernardo do Campo e São Paulo. Em 2011, realizou o PRIMEIRO TEATRO: I Ciclo Internacional de Teatro para Bebês, em Brasília e no Rio de Janeiro.

20 e 21 de agosto, às 11h e às 14h | Espaço Sobrevento – São Paulo - Espetáculo Vaga-Lumes com a CIA. MANADA | CHILE

Adormecidas em uma pequena poça de água, elas sonham com os sons que vem do bosque: a água, o vento, a água da chuva. E quando acordam? O que elas fazem? Vaga-Lumes é um espetáculo que une o balé a um suporte multimídia: o video-mapping. O espetáculo se baseia em uma pesquisa visual e cognitiva junto às crianças de 0 a 3 anos. A dança se mostra como um jogo divertido e natural, explorando movimentos como pular, esticar-se, inclinar-se, elevar-se, girar, deslizar-se, não perdendo de vista a criação de uma coreografia poética e delicada. A Cia. MANADA é um coletivo formado por atores, dançarinos e artistas visuais, liderados por Francisco Medina. A companhia reúne artistas profissionais do mais alto nível artístico e técnico, buscando um apuro nas suas encenações, que podem ser voltadas para diferentes públicos. Vaga-Lumes é o seu primeiro trabalho destinado à Primeira Infância. Estreado em 2015, já conquistou um grande êxito no Chile, vencendo a desconfiança provocada por seu trabalho pioneiro.

27 de agosto, às 11h e às 14h | CLAC – São Bernardo do Campo - Espetáculo Bailarina com o GRUPO SOBREVENTO

Uma mulher recebe de presente, de sua filha, uma caixinha de música, com uma bailarina. Entre colares e a dança da bailarina, ela se lembra dos sonhos esquecidos e abandonados e questiona o equilíbrio que buscou e que encontrou. Esta conquista, porém, afastou-a do risco, do medo, da queda e das emoções mais profundas que sua filha – agora, do mesmo modo que quando era pequena – teima em despertar. Bailarina é um espetáculo muito íntimo e delicado, feito de silêncios, ações físicas, utilização de objetos, valorização das mínimas ações: pequenas coisas que, na relação com a primeira infância, tomam uma dimensão muito maior.

27 de agosto às 11h e às 14h |Espaço Sobrevento – São Paulo >>> 28 de agosto, às 11h e às 14h | CLAC – São Bernardo do Campo - Espetáculo Achadouros - CRIAÇÃO COLETIVA| DF_BRASIL

O ser humano e sua chegada no mundo. Vestígios de degradação ou matéria prima para criação? Um universo a ser desvendado. A percepção de si, do outro, das diversas formas de vida. O poder imaginativo que leva à transformação e à reorganização da realidade. Duas personagens convidam o público a aventurar-se com elas em seu quintal imaginário. O espetáculo conduz o espectador a uma arqueologia das memórias da infância e apresenta a cada um a possibilidade de escrever sua própria história. É uma poesia de esperança na capacidade criativa do ser humano e no poder regenerativo da natureza. O espetáculo trabalha com o conceito de “ressignificação” dos objetos. Como é o caso das inúmeras sacolas de plástico na cor branca compondo o cenário, que hora se transformam em galinha, cachorro, peixe e até borboletas que – literalmente – voam e também assumem o papel de água do mar, do rio ou do lago. ACHADOUROS foi criado em 2015, inspirado no livro de poesias “Memórias inventadas – para crianças” do poeta cuiabano Manoel de Barros. Recentemente ganhou o prêmio SESC de Teatro Candango de 2015, como melhor espetáculo infantil. As atrizes Caísa Tibúrcio e Nara Faria estudaram o universo infantil, em visitas a uma creche, durante um mês, na companhia do diretor teatral José Regino. O resultado desse aprendizado foi essencial para a montagem de ACHADOUROS - primeiro espetáculo do Coletivo.

3 de setembro, às 11h e às 14h | CLAC – São Bernardo do Campo - Espetáculo Meu Jardim com o GRUPO SOBREVENTO

Entediado, em meio a um deserto, um viajante decide criar um jardim. Mas como fazê-lo? A partir do texto da autora belga de origem iraniana Mandana Sadat, o Grupo Sobrevento compõe um espetáculo que fala de esperança, de sonho, do desejo e da possibilidade de transformar o mundo, em uma paisagem que poderia ser o Irã, como poderia ser o Brasil. A montagem utiliza elementos visuais e sonoros próprios da cultura brasileira, que a aproximam da cultura iraniana e que, curiosamente, parecerão familiares a cidadãos de todo o mundo.

3 de setembro às 11h e às 14h | Espaço Sobrevento – São Paulo >>> 4 de setembro, às 11h e às 14h | CLAC – São Bernardo do Campo - Espetáculo Quem era eu antes de ser eu com a CIA. LA CASA INCIERTA | ESPANHA

Uma experiência teatral para mães, pais, recém-nascidos e crianças. Entre pais e bebês, há um mundo que transforma o mundo. O texto foi criado a partir da pergunta de nossa filha: “E o que aconteceu antes? Onde eu estava quando eu ainda não era eu?”. Não soubemos responder... E balbuciamos, torpemente... E nossa filha continuou: “Não me lembro.. antes de eu nascer... não me lembro”. E por um momento, pensamos no que teria acontecido se nossa filha, que nos perguntava isso com dois anos e meio de idade, não tivesse nascido. LA CASA INCIERTA é precursora do Teatro para Bebês na Espanha e direciona seu trabalho a este público há 16 anos. Realizou oito ciclos internacionais de Teatro para Bebês em seu país. Seu diretor, Carlos Laredo, dirigiu por 10 anos o Festival Teatralia, um dos maiores eventos de artes para crianças da Europa, e também ocupou a direção da Rede de Teatros de Madri. É parceira do Sobrevento na criação e realização das Mostras PRIMEIRO TEATRO e PRIMERO OLHAR e organiza em Brasília, em 2016, a terceira edição do PRIMEIRO OLHAR naquela cidade.

4 de setembro, às 11h | Espaço Sobrevento – São Paulo - Documentário O começo da vida, de ESTELA RENNER | BRASIL

Uma análise aprofundada e um retrato apaixonado sobre os primeiros mil dias de um recém-nascido, o verdadeiro começo da vida de um ser humano, tempo considerado crucial pós-nascimento para o desenvolvimento saudável da criança, tanto na infância quanto na vida adulta, onde os pais precisam ter o maior cuidado, amor e carinho possível. O Começo da Vida convida todo mundo a refletir como parte da sociedade: estamos cuidando bem dos primeiros anos de vida, que definem tanto o presente quanto o futuro da humanidade?

30 e 31 de agosto; 1 de setembro, das 19h às 21h30 - CENFORPE | Centro de Formação dos Profissionais da Educação Ruth Cardoso - Oficina Teatro para Bebês

2 de setembro, às 19h | CENFORPE - Centro de Formação dos Profissionais da Educação Ruth Cardoso - Mesa-Redonda Arte na Primeira Infância com Cia. La Casa Incierta, Grupo Sobrevento e Elaine Lindolfo da Secretaria de Educação de São Bernardo do Campo

O CLAC – Centro Livre de Artes Cênicas fica na Praça São José, 240 – Baeta Neves – São Bernardo do Campo – Telefone: (11) 4125-0582.

O Espaço Sobrevento fica na Rua Coronel Albino Bairão, 42 – Metrô Bresser-Mooca – São Paulo – Telefone: (11) 3399-3589.

O CENFORPE - Centro de Formação dos Profissionais da Educação Ruth Cardoso fica na Av. Dom Jaime de Barros Câmara, 201 – Planalto – São Bernardo do Campo.

Os locais serão adaptados para receber os bebês e seus pais e contarão com assentos especiais para bebês, trocador, assentos sanitários infantis nos banheiros e brinquedoteca, além de um estacionamento para carrinhos de bebê.

Os espetáculos têm duração de 30 a 45 minutos. Capacidade e recomendação: 80 lugares - destinam-se a um bebê de 6 meses a 3 anos de idade com um acompanhante, em um total de 40 lugares para bebês e 40 lugares para acompanhantes, por sessão.

Ingressos gratuitos, distribuídos meia hora antes de cada sessão (no Espaço Sobrevento) e uma hora antes de cada sessão (no CLAC). É recomendável fazer reserva pelo e-mail info@sobrevento.com.br



SÃO MANUEL REESTREIA EM SP

SOBREVENTO VOLTA COM SÃO MANUEL BUENO, MÁRTIR, A HISTÓRIA DO SANTO QUE NÃO ACREDITAVA EM DEUS

A montagem teatral, para adultos, indicada ao Prêmio APCA de Melhor Espetáculo e Direção, apresenta-se no Espaço Sobrevento, com entrada franca, aos sábados e domingos, de 6 de agosto a 11 de setembro..

O GRUPO SOBREVENTO – que, este ano, comemora 30 anos de fundação –, apresenta “SÃO MANUEL BUENO, MÁRTIR”, espetáculo teatral adulto que conta a vida do personagem Dom Manuel, um padre que carrega, como um estigma, a dúvida de sua própria fé e da existência de Deus. A temporada acontece de 6 de agosto a 11 de setembro, aos sábados e domingos, às 20h, no Espaço Sobrevento (Rua Coronel Albino Bairão, 42 - Metrô Bresser-Mooca). As apresentações têm ENTRADA FRANCA e integram o projeto MEMÓRIAS E TRAJETÓRIAS – SOBREVENTO 30 ANOS, realizado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo.

Primeira encenação do melhor romance de Unamuno

Escrito em 1930 pelo poeta, filósofo e escritor Miguel de Unamuno (1864-1936), São Manuel Bueno, Mártir ganhou o palco, pela primeira vez, nesta montagem do Sobrevento. O espetáculo vale-se de uma forma de animação contemporânea, derivada do Teatro de Objetos. Acontece em uma arena ocupada por uma mesa redonda, que representa o mundo. No centro dela, cerca de 30 bonecos de madeira – estáticos, fixos, sem qualquer articulação –, confeccionados pelo escultor paranaense Mandy, representam os personagens da trama e o povo da pequena cidade onde se desenrola a história. Os três atores-manipuladores movimentam estes bonecos como se fossem peças de xadrez ou figuras de um presépio, ao mesmo tempo em que encarnam os personagens principais da obra.

A trilha sonora do espetáculo – tocada, ao vivo, por um violonista, um bandolinsta e um violoncelista – foi criada especialmente pelo pernambucano Henrique Annes, um dos fundadores do Movimento Armorial, virtuoso do violão recifense, com mais de 50 anos de carreira. “Ao longo do espetáculo, as figuras (bonecos) vão perdendo a sua forma, se decompondo, ficando cada vez mais distantes do figurativismo original, como em um livro, molhado pela água. O jogo de movimentação das figuras lembra um jogo de criança ou às vezes uma maquete, mas não há uma manipulação propriamente dita ou uma técnica de animação”, diz a atriz Sandra Vargas. Os espectadores presenciam um jogo, invadem a intimidade da cena e formam uma espécie de assembleia. O espaço cênico é uma espécie de poço escuro e o tampo da mesa é o próprio palco do espetáculo.

São Manuel conta, ainda, com a delicada iluminação de Renato Machado, ambientação e orientação cenográfica de Telumi Hellen, figurino de João Pimenta, preparação cenotécnica e mecanismos de Agnaldo Souza e encenação de Luiz André Cherubini, que atua no espetáculo ao lado de Maurício Santana e Sandra Vargas.

O texto

São Manuel Bueno, Mártir conta a história de Dom Manuel (vivido por Maurício Santana), um padre que duvida da existência de Deus e da vida após a morte. Por meio da narrativa confessional, e em primeira pessoa, de Ângela (Sandra Vargas), o texto embrenha-nos no drama íntimo do pároco, que está prestes a ser beatificado. Lázaro (Luiz Cherubini), irmão de Ângela, acaba de voltar dos EUA para a pequena cidade onde nasceu e tenta convencer Ângela a ir embora daquele lugar onde, segundo o personagem, “as mulheres mandam nos homens e um padre manda nas mulheres”. Ela se recusa, entretanto, convencida de que tem muito o que fazer por lá. Ângela ganha profunda admiração e gratidão por Dom Manuel, que se transforma, de um mártir, em uma espécie de santo, apesar – ou justamente por causa – de sua dúvida e falta de fé.

Miguel de Unamuno: a fé cega e a faca amolada

Polêmico, Miguel de Unamuno (Bilbao, 1864 – Salamanca, 1936) foi filósofo, ensaísta, dramaturgo, romancista e poeta: sua obra literária gira em torno de três temas dominantes: o homem, a imortalidade e a Espanha. Paradoxal e contraditória, sua visão particular do mundo e a defesa apaixonada das suas ideias transformaram-no no centro de todas as polêmicas políticas e religiosas de seu tempo. Foi reconhecido não só pelas sua capacidade literária, mas também pelos seus reiterados ataques à monarquia espanhola e ao franquismo. Entre suas obras, destacam-se A Tia Tula, A Vida de Dom Quixote e Sancho e Niebla. O autor era, ele mesmo, praticamente uma versão real do seu Dom Manuel: era um cético, mas tinha muita fé; criticava a Igreja e a fé cega, mas defendia que não poderíamos ser totalmente descrentes. “Chegamos a um espetáculo muito simples e muito delicado. Não queremos, nele, fazer uma demonstração de virtuosismo; não queremos impressionar, surpreender; não queremos falar da força, da vitalidade, da modernidade do Teatro de Animação; mas expor as nossas dúvidas, as nossas angústias, as nossas questões, a nossa fragilidade. A dúvida – que é o cerne deste espetáculo e do próprio texto que lhe deu origem – é, para nós, a melhor contribuição que o Teatro de Animação pode dar ao Teatro e que nós, artistas, podemos oferecer ao público”, explica Luiz André Cherubini, ator e diretor do espetáculo.

O Grupo Sobrevento

Em 2016, o SOBREVENTO comemora 30 anos. Desde 1986, o grupo tem se dedicado à pesquisa da linguagem teatral e é considerado, internacionalmente, um dos maiores expoentes brasileiros do Teatro de Animação. Desenvolve um trabalho contínuo que envolve a apresentação de seu repertório – que lhe valeu alguns dos Prêmios mais importantes do país –, realização e curadoria de Festivais e eventos, além de diferentes atividades de formação e difusão do Teatro de Bonecos. Em suas andanças, viajou por todo o Brasil, do Acre ao Rio Grande do Sul, e apresentou-se em mais de uma centena de cidades não só do Brasil, mas também da Espanha, Irlanda, Inglaterra, Escócia, Argentina, Chile, Colômbia, Angola, Suécia, Estônia, México e Irã.

Há quase dez anos, o SOBREVENTO vem pesquisando o Teatro de Objetos. Explorou a linguagem, sob diferentes abordagens, em cinco montagens. Foi responsável por trazer ao Brasil os seus principais representantes. Responde pela curadoria do FITO – Festival Internacional de Teatro de Objetos, realizado em várias capitais brasileiras. Tem prestado assessoria técnica em montagens de outras companhias interessadas nesta pesquisa e ministrado muitas oficinas na área, ajudando a difundir esta linguagem, ou abordagem teatral, por todo o Brasil. É um dos maiores especialistas brasileiros nesta linguagem e um dos poucos grupos no país que direcionam sua pesquisa ao público adulto.

O Teatro de Bonecos para adultos

O Teatro de Animação moderno é uma ampliação dos limites que o senso comum estabeleceu, preconceituosa e equivocadamente, para o Teatro de Bonecos. Espalhado por todas as épocas e por todos os lugares do mundo, o Teatro de Animação funde linguagens cênicas, mistura modernidade e tradição, mistura erudição e popularidade, tem como palco qualquer espaço e tem como alvo públicos de todas as idades e grupos sociais, um de cada vez ou todos de uma só vez. Em São Paulo, no entanto, vemos poucos espetáculos que exploram a linguagem do Teatro de Animação para adultos, por sua inviabilidade econômica, o que, muitas vezes, não acontece quando o Teatro de Animação se dirige ao público infantil. O SOBREVENTO é um dos poucos Grupos de Teatro de Animação do Brasil que se têm dedicado ao público adulto e, sempre, com grande profundidade e êxito. O Grupo tem lutado por difundir a ideia de que o Teatro de Bonecos deve ser antes Teatro e depois de Bonecos e que toda técnica deve estar a serviço daquilo que se quer dizer. Dominando um grande número de técnicas de animação, o Grupo montou, entre outros, os espetáculos SUBMUNDO, UBU!, O THEATRO DE BRINQUEDO, BECKETT, O CABARÉ DOS QUASE-VIVOS, QUASE NADA, ORLANDO FURIOSO, SALA DE ESTAR e SÓ, apresentados em quase todos os estados do Brasil e em países de quatro continentes.

Para roteiro: SÃO MANUEL BUENO, MÁRTIR, do Grupo Sobrevento. Duração – 80 minutos. Não recomendado para menores de 16 anos. ENTRADA FRANCA. Ingressos disponíveis uma hora antes, na bilheteria. Lotação: 68 lugares. Reservas: info@sobrevento.com.br. Espaço Sobrevento – Rua Coronel Albino Bairão, 42 - Metrô Bresser-Mooca. Tel. 11-3399-3589.